Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Quinta, 09 Novembro 2017 13:13

Meirelles admite que mudança em tempo de contribuição é ponto de negociação

Pelas negociações, o trecho em questão seria excluído do texto
O ministro disse que os cálculos sobre a economia estão sendo feitos "a cada proposta" e reforçou que espera obter com a nova versão da reforma pelo menos 50% da economia esperada O ministro disse que os cálculos sobre a economia estão sendo feitos "a cada proposta" e reforçou que espera obter com a nova versão da reforma pelo menos 50% da economia esperada José Cruz/Agência Brasil
Por Estadão Conteúdo

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu nesta quinta-feira, 9, que o tempo mínimo de contribuição para a aposentadoria pode permanecer em 15 anos, em vez de ser elevado para 25 anos conforme prevê a proposta de reforma da Previdência. Pelas negociações, o trecho em questão seria excluído do texto.

"A proposta de 15 anos de contribuição depende de cálculos e de outras mudanças", explicou Meirelles, que participou de café da manhã com líderes e o presidente Michel Temer na residência oficial do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Isso ocorre porque a regra de cálculo do beneficio estabelece uma base de 70% do salário de contribuição para quem cumprisse o mínimo de 25 anos.

O ministro disse que os cálculos sobre a economia estão sendo feitos "a cada proposta" e reforçou que espera obter com a nova versão da reforma pelo menos 50% da economia esperada originalmente de R$ 800 bilhões em 10 anos.

Ele afirmou que isso é necessário para assegurar uma trajetória de estabilidade fiscal nos próximos anos. "A economia funciona com base na confiança e em investimentos de longo prazo", disse

Data de votação

O ministro da Fazenda informou que o governo e as lideranças políticas, incluindo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), consolidaram nesta terça o entendimento de que "é necessário votarmos a reforma da Previdência e encaminhar o mais rápido possível". Apesar disso, o ministro afirmou que não há está definida a data de votação, embora o ideal seja levar a proposta ao plenário até o fim do ano. "Maia mostrou compromisso hoje sobre necessidade disso, de que comece esse processo de articulação", disse. "A ideia é que se acelere o mais rápido possível."

Diante da necessidade da reforma, a aprovação "não é questão de opinião", afirmou Meirelles. "A reforma é fundamental de ser aprovada, essa é a mensagem", comentou. "Senti hoje que o nível de comprometimento subiu em relação à primeira reunião (realizada ontem)", disse.

Segundo ele, o governo está no meio de um processo negocial. Mas a reação do mercado financeiro à interpretação de que Temer havia "jogado a toalha" em relação à aprovação da reforma foi, para Meirelles, "sinal de que a reforma da Previdência é fundamental". Quarta, com as notícias sobre a retomada as articulações, o ministro destacou que o mercado reverteu as perdas.

Meirelles destacou ainda que o País está avançando, com queda da inflação e retomada do crescimento, mas a aprovação da reforma ainda é necessária para manter essa trajetória positiva e também para sustentar a queda dos juros. A proposta também vai garantir a sustentabilidade do teto de gastos ao longo do tempo.

"O Orçamento não é sustentável ao longo do tempo. Não vai haver recursos para Educação e Saúde. O País vai viver para pagar a Previdência", alertou o ministro.

Ele afirmou diversas vezes que o fundamental na proposta, além da idade mínima, é a igualdade para todos e também o período de transição "como está proposto".

 

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros