Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Segunda, 23 Outubro 2017 11:03

Vamos sepultar essa reforma da previdência

Essa ideia é consenso entre o movimento sindical e um novo debate deve ser iniciado em 2018, discutindo-se receitas para desfazer o rombo no setor
Movimento sindical fez várias manifestações e em todas elas houve o enterro simbólico da reforma previdenciária Movimento sindical fez várias manifestações e em todas elas houve o enterro simbólico da reforma previdenciária Rodrigo Montaldi/DL
Por Francisco Aloise

Existe consenso entre o movimento sindical de que o projeto da reforma previdenciária do Governo Federal deve ser sepultado neste ano e um novo debate deve ser iniciado em 2018, discutindo-se receitas para desfazer o rombo no setor e garantir as futuras aposentadorias no país.

“Essa reforma previdenciária do Governo Michel Temer já está morta e só precisa ser seputada, o que vai ocorrer agora com essa nova crise provocada pela nova segunda denúncia da PGR, que será votada nesta semana na Câmara Federal”, diz Herbert Passsos Filho, vice-presidente nacional da Força Sindical e presidente do Sindicato dos Químicos da Baixada Santista.

Ao falar ao DL, na última terça-feira, durante visita do secretário estadual do Trabalho, José Luiz Ribeiro, a Santos para encontro com sindicalistas, Passos justificou sua opinião alegando que as centrais sindicais estão mobilizadas em Brasília pedindo um novo projeto para a Previdência Social para 2018. “Temos que debater um novo projeto envolvendo toda a sociedade. O Governo só quer tirar direitos para amenizar o alegado rombo do setor, mas não discutiu até agora como buscar receitas para a Previdência. Nós temos esse caminho e ele precisa ouvir os sindicalistas”, diz o líder sindical

Ele conclui afirmando, que, independentemente do resultado da votação da denúncia da PGR no Congresso Nacional, a reforma já está morta e precisa ser sepultada de imediaro, para se começar o debate sobre o tema mas com um projeto que inclua a geração de receitas para o INSS sustentar o pagamento das aposentadorias no futuro.

“A proposta, hoje em discussão na Câmara Federal, chega a ser ridícula pois não mexe com o rombo da Previdência e os parlmentares já estão conscientes disso. Por isso, essa reforma será sepultada nos próximos dias e, com isso o Governo vai chamar todos os setores envolvidos para iniciar um novo debate de onde vai surgir um novo projeto para o setor”, conclui  Passos.

Paulo Pimentel, PP, que é diretor da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) na Baixada Santista e presidente do Sintrasaúde, por sua vez, diz que  a reforma já nasceu morta, só se esqueceram de enterrá-la.

“Vamos nos preparar para enterrá-la, pois velada ela já está, e depois nos mobilizar para iniciar um novo debate com toda Sociedade sobre uma nova Previdência Social no país”, diz o mais antigo líder sindical da região.

“Não existe clima político para uma votação neste ano no Congresso Nacional, então, temos que sepultar essa reforma e com suas cinzas fazer o renascimento de uma outra reforma com amplo debate com os trabalhadoresm, que serão os futuros aposentados do amanhã”, diz André Lima, presidente do Siemaco Santos, sindicato filiados à União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros