Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Terça, 08 Maio 2018 17:25

Arqueologia e gastronomia: parceria descobre em Rondônia o elo perdido

Estudos arqueológicos acabam de revelar que a espécie Manihot esculenta, a popular mandioca, aipim ou macaxeira, foi domesticada pelo homem há nove mil anos. Desde então, ela vem sendo cultivada em toda a América Latina, sendo uma das mais importantes fontes de amido no Continente. A descoberta ocorreu na região do Alto Rio Madeira, em Rondônia. 

A forma como se desenvolveu a transmissão do cultivo da mandioca pelas Américas ainda é algo nebuloso. Especula-se que a partir do centro original de domesticação, o cultivo se disseminou entre as etnias indígenas.  Estudos arqueológicos e etnobotânicos sugerem que a dispersão da raiz está ligada aos movimentos humanos pré-históricos ao longo dos rios amazônicos.

Entre 2010 e 2015, foram coletadas amostras de 596 plantas, sendo 325 de mandioca-brava, 226 de mandioca-mansa, 28 da forma selvagem Manihot esculenta ssp. flabellifolia e 17 não designadas – encontradas fora de áreas de cultivo tradicional.

As surpresas começaram ao comparar os genomas dos 596 indivíduos. A variação genética entre as amostras não apontou um viés biogeográfico, ou seja, o estudo do genoma não revelou a existência de variedades regionais. 

Para entender como foi o processo de disseminação do cultivo, era preciso descobrir como e onde as formas mansa e brava se diferenciaram a partir do ancestral selvagem. A principal diferença entre elas está no grau de toxicidade. A selvagem é muito venenosa. Suas raízes possuem alto nível de substâncias precursoras do ácido cianídrico. O consumo pode ser letal.

A mandioca vendida em feiras e supermercados é a mandioca-mansa. Ela ainda contém certo teor de substâncias tóxicas, por isso não pode ser consumida imediatamente após ser colhida.

O que se acreditava era que a domesticação da brava envolveu o desenvolvimento pelos índios de técnicas para retirar a toxicidade da planta, até chegar a um produto que pudesse ser consumido praticamente sem processamento. Mas, o que se detectou foi uma grande diversidade entre a mansa e a brava.  

A conclusão é que a mandioca-mansa foi domesticada primeiro, há cerca de 9 mil anos. Só muito depois é que se domesticou a mandioca- brava. O processo de dispersão de ambas parece ter sido, portanto, bem diferente, tanto no tempo como no espaço. Até então, se pressupunha que a mandioca brava fosse um estágio intermediário na domesticação da mandioca mansa.

A pesquisa foi desenvolvida no programa de doutorado no Departamento de Genética da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP). E os resultados acabam de ser publicados nos Annals of Botany.

Música clássica.
Ouvir música clássica logo após tomar os medicamentos contra hipertensão intensifica os efeitos terapêuticos dos remédios. A conclusão é de um estudo feito em conjunto pela Unesp de Marília, Faculdade de Juazeiro do Norte, Faculdade de Medicina do ABC e Oxford Brookes University, da Inglaterra.

Faz bem ao coração!
Os pesquisadores da Unesp estudavam o efeito da música sobre o coração em situações de estresse e constataram que ela diminui a frequência cardíaca. O resultado foi publicado em abril na revista Scientific Reports.

Mobilização pelas abelhas.
A mobilização de ativistas liderados pela Avaaz surtiu efeito. Após sete anos de pressão, no final de abril os ambientalistas conseguiram convencer a União Europeia a proibir agrotóxicos que provoquem a morte de abelhas. Entre esses venenos estão alguns dos mais vendidos no mundo, inclusive no Brasil.

Pelos alimentos e pelos humanos.
Nessa batalha, a Avaaz reuniu cinco milhões de assinaturas e fez uma ‘vaquinha’ virtual para financiar estudos científicos, além de , literalmente, correr atrás de ministros nas ruas e em aeroportos.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado