Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Terça, 14 Novembro 2017 16:27

Cientistas criam extrato natural contra o câncer feito com fruta típica da Bahia

Substâncias encontradas na graviola vêm chamando a atenção dos cientistas devido às propriedades inseticidas e vermífugas e ao comprovado efeito anticancerígeno conforme já apontava o conhecimento tradicional de índios e caboclos. Mas, como todo medicamento pode virar veneno se ministrado sem a devida cautela, era preciso aprofundar os estudos e definir um método seguro para extrair e concentrar esses compostos, conhecidos como alcaloides e acetogeninas anonáceas, derivados de ácidos graxos.

Pois bem, foi isso que fizeram a Unicamp e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. O estudo abre caminhos para que se possa transformar folhas, cascas e sementes em fitoterápicos ou suplementos alimentares, sem a perda de princípios ativos de interesse farmacêutico.

Nesse processo realizado na Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp (FEA-Unicamp), os pesquisadores resolveram utilizar um solvente reconhecido como seguro para o consumo humano, o etanol.

O método usado para a produção do extrato foi a separação através de membranas seletivas. O processo não utiliza altas temperaturas, garantindo as características nutricionais do produto. As membranas funcionam como peneiras moleculares capazes de fracionar diferentes compostos.

Para o professor Flávio Luís Schmidt, da Unicamp, orientador do estudo, “a matéria-prima pode gerar produtos relativamente baratos, ao alcance da população, com ganhos na qualidade de vida”.

Na Universidade Federal do Ceará (UFC), que estuda a graviola desde 2010, ficou evidente a atividade anticâncer dos extratos em testes pré-clínicos com células e animais. Os estudos são fruto de parceria com a empresa Inovagro, interessada em produzir suplemento alimentar com o pó da folha da graviola.

Apesar dos resultados promissores, o químico Cláudio Costa, da UFC, salienta que isso ainda não significa que as pessoas possam utilizar o extrato. Antes, será necessário definir qual é a dose segura e se há efeitos colaterais.

Brasil sem maquiagem
Enquanto o governo alardeia aumento na venda de carros, os negócios com máquinas agrícolas despencaram em outubro. Na comparação com outubro de 2016, que já não havia sido bom para o setor, a queda foi de 20,9%, segundo a Anfavea, que representa os fabricantes.

Prepare o bolso: colheita.
A primeira previsão do IBGE para a safra 2018 mostra que a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas será de 220 milhões de toneladas, volume 8,9% abaixo da safra a ser colhida até o fim de 2017.

Será menor em 2018.
E esta queda na produção deverá atingir todas as regiões: Norte (-3,2%), Nordeste (-5,8), Sudeste (-4,8%), Sul (-12,3%) e Centro-Oeste (-8%).

Ciência e fartura na mesa.
Pela primeira vez em 517 anos, agricultores conseguiram produzir alho em pleno litoral catarinense. Isso só foi possível graças a uma técnica que submete a semente ao frio extremo para que ela produza o bulbo quando lançada no solo. O Brasil consome 300 mil toneladas de alho/ano. Desse volume, 80% é importado.

Quer economizar?
Almeirão, aspargos, beterraba, brócolis, cenoura, couve de Bruxelas, hortelã, espinafre, manjericão, mostarda, palmito e rabanete estão no auge da safra em novembro, ou seja, com preços até 30% mais baixos que no resto do ano.

Conhece?
A guavira (Campomanesia spp) acaba de ser declarada fruto símbolo do Mato Grosso do Sul. Nativa do Cerrado, a guavira, também conhecida como guabiroba, celebra a biodiversidade brasileira e sua escolha marca os 40 anos da criação do Estado, desmembrado do Mato Grosso em 1977.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros