Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Terça, 26 Setembro 2017 16:13

Após nove anos, Anvisa proíbe agrotóxico que causa câncer e Mal de Parkinson

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) resolveu proibir a comercialização do herbicida Paraquat. A decisão foi tomada na terça-feira, após reavaliação toxicológica do produto, que demorou nove anos para ser concluída. O agrotóxico já é banido em várias partes do mundo há anos por ser considerado prejudicial à saúde de lavradores e consumidores, mas continuou sendo usado no Brasil em plantações de feijão, milho, soja e cana.

Estudos científicos conduzidos por laboratórios estrangeiros e pela Fundação Osvaldo Cruz em 2009 já haviam concluído que o Paraquat provoca “aberrações cromossômicas” ao simples contato com a pele. Em outras palavras: o veneno usado para combater ervas daninhas induz à intoxicação aguda, mutações genéticas, desregulação endócrina, toxicidade reprodutiva, teratogênese, câncer e Mal de Parkinson.

Apesar de ser considerado “altamente tóxico” pela própria Anvisa, a agência fez a ressalva de que não há evidências que o herbicida deixe resíduo nos alimentos. Assim, os fabricantes do veneno poderão comercializar seu estoque até o fim e terão três anos para apresentar contraprovas capazes de convencer a Anvisa a rever sua decisão.

Em nota, a Anvisa argumentou que concedeu esse prazo de três anos para “minimizar os altos impactos econômicos, agronômicos e ambientais da medida, considerando, principalmente, a alta eficiência do produto, seu baixo custo, sua característica de não causar resistência em ervas daninhas”.

Crime contra o futuro. Um estudo científico desenvolvido no Colégio de Ciências Humanas da University of Nebraska-Lincoln, nos Estados Unidos, comprovou que infecções bacterianas decorrentes da falta de água potável e saneamento básico estão na origem de problemas como déficit de estatura e desnutrição.

Das crianças. Apresentado na terça, em SP, o estudo mostrou que embora a mortalidade infantil venha caindo no mundo neste século, crianças submetidas à falta de saneamento básico e água potável não conseguem atingir todo o potencial de desenvolvimento cognitivo e físico, em prejuízo da economia de seus países.

Do Terceiro Mundo! Essas infecções bacterianas repetidas afetam as vilosidades intestinais e o perfil da microbiota intestinal, prejudicando a absorção de nutrientes para o resto da vida.Quando o problema ocorre em períodos de alta vulnerabilidade, como os primeiros dois anos de vida, os danos podem ser definitivos.

Lagosta barata. Centros de pesquisa da Austrália e da Tasmânia firmaram parceria para criação da primeira incubadora de lagostas do mundo, apesar do complexo ciclo de vida do crustáceo. A expectativa é que em dois anos os estudos seja iniciada a criação comercial de lagostas em cativeiro.

O vinho fino do. Garanhuns se candidata a ser a próxima região vinícola do País. E as primeiras garrafas de vinho fino do agreste pernambucano foram degustadas agora em setembro.

Agreste pernambucano. Trabalho desenvolvido pelo Instituto Agronômico de Pernambuco e pela Universidade Federal Rural de Pernambuco está permitindo a produção de três variedades de uvas brancas: Muscat Petit Grain, Sauvignon Blanc e Viognier; e de outras três uvas tintas: Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah.

Filosofia do campo: “Gosto das mulheres. Acho que elas são mais fortes, mais sensíveis e têm mais bom senso que os homens. Nem todas as mulheres do mundo são assim, mas digamos que é mais fácil encontrar qualidades humanas nelas do que no gênero masculino”, José Saramago (1922/2010), escritor português, Prêmio Nobel de Literatura e Prêmio Camões de Literatura.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros