Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Quinta, 12 Abril 2018 11:50

Análise de veneno usado contra ex-espião russo confirma versão britânica

Segundo a Opaq, os resultados das análises de laboratório "confirmam as descobertas do Reino Unido a respeito da identidade do químico tóxico que foi usado no ataque que deixou três pessoas feridas com gravidade"
Moscou é acusada por Londres de ser a responsável pela ação Moscou é acusada por Londres de ser a responsável pela ação Kremlin/Fotos Públicas
Por Folhapress
De São Paulo

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) afirmou nesta quinta-feira (12) que sua análise da substância usada no envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal confirmou a tese britânica sobre o caso, mas sem citar diretamente a Rússia. Moscou é acusada por Londres de ser a responsável pela ação. 

Segundo a Opaq, os resultados das análises de laboratório "confirmam as descobertas do Reino Unido a  respeito da identidade do químico tóxico que foi usado no ataque em Salisbury que deixou três pessoas feridas com gravidade".

Além de Serguei, também foram envenenados sua filha, Iulia, e um policial que tentou ajudar os dois.  

A organização disse ainda que a substância usada no episódio tinha "grande pureza", mas não disse onde e como ela foi produzida. As informações mais detalhadas, como o nome do agente neurotóxico usado, também não foram divulgadas e fazem parte apenas de um relatório confidencial que a Opaq não vai disponibilizar publicamente.    

Pouco depois do ataque, a primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou que o gás usado contra Skripal pertencia ao grupo Novichok, um tipo de arma química militar russa fabricada apenas nos laboratórios do país. 

Georgy Kalamanov, vice-ministro de Indústria e Comércio russo, disse que a análise feita pela Opaq mostra que é impossível comprovar que a substância tem como origem a Rússia e pediu que Londres apresente provas da participação de Moscou. 

Após a divulgação do relatório, o ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnnson, disse que ele confirma o envolvimento de Moscou no caso. "Não restam dúvidas sobre o que foi usado e não há outra explicação sobre o que aconteceu - apenas a Rússia tinha os meios, os motivos e as razões", disse.

Johnson também pediu a convocação de uma reunião de emergência da Opaq para 18 de abril para discutir os próximos passos. Londres defendeu também que o Conselho de Segurança da ONU se reúna assim que possível para debater o assunto. 

O envenenamento de Skripal deu início a uma crise na relação entre Moscou e o Ocidente, que levou o Reino Unido e aliados - como os EUA e os membros da União Europeia -, a expulsarem os diplomatas russos de seus países.

O governo de Vladimir Putin retaliou, os diplomatas ocidentais de seu território.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany