Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Quarta, 14 Fevereiro 2018 12:29

Netanyahu diz que acusação de corrupção é "cheia de buracos"

O anúncio de ontem da polícia de que Netanyahu teria aceitado cerca de US$ 300 mil em equivalentes em presentes de dois bilionários veio como um golpe sobre o primeiro-ministro depois de anos de investigações
Líderes da oposição israelense pediram a renúncia de Netanyahu, mas o premiê rejeitou com agressividade esses pedidos Líderes da oposição israelense pediram a renúncia de Netanyahu, mas o premiê rejeitou com agressividade esses pedidos Amos Ben Gershom/GPO/Fotos Públicas
Por Estadão Conteúdo

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, desdenhou das recomendações da polícia de que ele seja acusado de corrupção, dizendo que as alegações são "enviesadas, extremas e cheias de buracos, como um queijo suíço", e disse que permanecerá no cargo.

Em discurso durante uma reunião do governo em Tel Aviv, Netanyahu disse que seu governo permanece estável, apesar do anúncio da polícia, e frisou que "a verdade virá à tona".

Líderes da oposição israelense pediram a renúncia de Netanyahu, mas o premiê rejeitou com agressividade esses pedidos.

O anúncio de ontem da polícia de que Netanyahu teria aceitado cerca de US$ 300 mil em equivalentes em presentes de dois bilionários veio como um golpe sobre o primeiro-ministro depois de anos de investigações. No entanto, o fato não parece ter abalado seu mandato.

Quase todos os ministros da gestão de Netanyahu emitiram notas de apoio e nenhum parceiro da coalizão parece pronto para abandonar o governo.

O líder do Partido Trabalhista, Avi Gabbay, disse que o ministro de Finanças, Moshe Kahlon, e o ministro da Educação, Naftali Bennett - ambos líderes dos maiores partidos que compõem a coalizão de Netanyahu -, precisam escolher entre apoiar o primeiro-ministro ou defender o estado de direito.

"Acho que está claro que esse governo precisa ter eleições. Não dá para continuar assim", disse Gabbay a uma emissora de rádio. "Um primeiro-ministro que se ocupa em atacar sua polícia e suas leis está simplesmente atacando a si mesmo, atacando o país".

As recomendações da polícia irão agora para o procurador-geral Avihai Mandelblit, que irá revisar o material antes de decidir se irá arquivar o processo. Netanyahu pode permanecer no cargo até a decisão, que pode levar meses. Tanto Kahlo quanto Bennett disseram que irão aguardar a decisão de Mandelblit para prosseguir. Fonte: Dow Jones Newswires.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany