Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Quinta, 30 Novembro 2017 14:34

'Bolsa Família italiano' pagará até R$ 1.900 por mês a cidadãos pobres

O Reddito di Inclusione entregará entre R$ 720 e R$ 1.870 ao mês por família, a partir do número de integrantes
Por Folhapress

O governo italiano inaugura nesta sexta-feira (1°) um programa social semelhante ao Bolsa Família brasileiro, transferindo renda a pessoas vivendo em situação de pobreza absoluta.

O Reddito di Inclusione (renda de inclusão) entregará entre R$ 720 e R$ 1.870 ao mês por família, a partir do número de integrantes -o valor máximo corresponde a cinco ou mais pessoas.

Segundo a deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, eleita pela circunscrição latino-americana da Câmara Italiana, o projeto ganhou forma no governo do ex-premiê Matteo Renzi por influência do caso brasileiro. Renzi é admirador confesso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os líderes se reuniram em mais de uma ocasião nos últimos anos. "Lula fez essa propaganda da redução de pobreza no Brasil, e isso brilhou aos olhos do governo italiano", diz Bueno.

Em entrevista à reportagem em 2016, Renzi disse que Lula havia sido "um grande presidente" e que "a história será gentil com ele". "Muitas pessoas saíram da pobreza durante seu governo."

O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados italiana no ano passado e, em 9 de março deste ano, passou pelo Senado com 138 votos a favor, 71 contra e 21 abstenções.

Pobreza

A Itália calcula que 4,7 milhões de pessoas, em uma população de 60 milhões, vivem em situação de pobreza absoluta -uma emergência agravada pela crise financeira global de 2007.

A linha da pobreza absoluta é calculada na Itália a partir do tamanho da família e da região de moradia. Em 2015, por exemplo, o valor para um adulto vivendo sozinho em uma cidade no norte, região mais rica, era de R$ 3.100 mensais. Em um povoado do sul, o número caía para R$ 2.100 mensais.

"A Itália sempre foi um país assistencialista, e existem diversos outros subsídios", afirma Bueno. O investimento anual do governo no Reddito di Inclusione será o equivalente a R$ 7 bilhões.

Havia outras propostas semelhantes ao Bolsa Família em discussão. O movimento antissistema 5 Estrelas, por exemplo, chegou a propôr um salário a todas as pessoas abaixo da linha da pobreza. À época, o ex-premiê Renzi disse que a ideia era uma espécie de "esmola".

Critérios

O Reddito di Inclusione abre as inscrições nesta sexta-feira (1º), mas só começa a pagar a assistência a partir de 1° de janeiro. O programa, apesar da semelhança na proposta, não funcionará exatamente como o Bolsa Família. Há diferenças no escopo, critérios e duração.

Poderão se inscrever os núcleos familiares com ISEE (Indicador de Situação Econômica Equivalente) de até R$ 23 mil. Esse índice é uma espécie de medida da renda anual que leva em conta salário, bens e estrutura familiar.

Será dada prioridade a casos de maior vulnerabilidade: lares com menores de idade, com algum caso de deficiência grave, com mulheres grávidas ou com desempregados maiores de 55 anos.

Com esses critérios, o governo espera auxiliar 1,8 milhão de pessoas neste primeiro ano. Segundo o governo brasileiro, o Bolsa Família atende mais de 13,9 milhões de famílias em situação de pobreza ou de extrema pobreza. A pobreza é definida, nesse caso, por uma renda mensal entre R$ 85 e R$ 170 por pessoa. Extrema pobreza, até R$ 85 por pessoa.

Outra diferença em relação ao programa brasileiro é que o italiano tem duração máxima. As famílias só poderão receber a assistência por 18 meses e, para pedir a renovação, precisarão esperar outros seis.

A assistência é condicionada a que os beneficiários participem de projetos de reinserção no mercado de trabalho, para evitar a sua dependência.

O benefício será pago pelo governo italiano por meio de um cartão eletrônico, uma espécie de bilhete único, no qual o valor será carregado mensalmente. O cartão poderá ser utilizado na compra de bens e para o saque em caixas eletrônicos, restrito à metade do valor do auxílio.

Cidadãos europeus e estrangeiros vivendo legalmente na Itália há pelo menos dois anos também podem pedir sua inclusão no programa.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros