Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Quinta, 05 Outubro 2017 10:00

Deu cano: policial da Atividade Delegada só recebe em dezembro

A atividade existe na Cidade desde o primeiro semestre de 2014 e é uma parceria entre os governos estadual e municipal
O prefeito Paulo Alexandre chegou a divulgar que policiais civis também participariam O prefeito Paulo Alexandre chegou a divulgar que policiais civis também participariam Arquivo/DL
Por Diário do Litoral

A remuneração de policiais militares envolvidos na Atividade Delegada, em Santos, está atrasada desde julho passado e, para piorar, a previsão de pagamento é só no Natal. A informação, obtida por intermédio de um leitor do Diário, foi confirmada pela Prefeitura de Santos. A atividade existe na Cidade desde o primeiro semestre de 2014 e é uma parceria entre os governos estadual e municipal – esse último responsável pelo pagamento de R$ 19,72 por hora trabalhada. A Prefeitura deve R$ 90 mil até agora.    

A Atividade Delegada permite que policiais trabalhem nas suas horas de folga para auxiliar no patrulhamento. Em 2015, a Prefeitura alardeou que policiais civis ­passariam a integrar o programa, por intermédio da Lei Municipal nº 3.267, mas acabou não ocorrendo. O trabalho desses últimos seriam no sistema de câmeras de monitoramento, o SIM, que funciona no Paço Municipal.

Segundo a Prefeitura, o número de policiais militares é flutuante, varia conforme a necessidade momentânea da Cidade, mas por força de lei, este número não pode exceder 80 policiais por semana. “Vale ressaltar que apenas policiais militares participam da Atividade Delegada, não estando a Polícia Civil”, confirmou a Administração.

A Administração informa que o atraso ocorreu em razão da frustração de receita deste ano – arrecadação tributária menor do que a prevista no Orçamento de 2017 – que, por sua vez, foi ocasionada pela estagnação econômica nacional. Dessa forma, o Município tem pendências com a Atividade Delegada em Santos nos meses de julho a setembro de 2017.

Ainda conforme a Prefeitura, o valor das pendências com a Atividade Delegada é da ordem de R$ 90 mil. A Prefeitura deve regularizar os pagamentos ­relativos a Atividade Delegada até o mês de dezembro deste ano ou, no máximo, em janeiro de 2018.

O programa foi implantado pioneiramente na capital, em dezembro de 2009, e outros municípios a partir de 2011. A Atividade Delegada é um convênio firmado entre as prefeituras e a Secretaria da Segurança Pública, que permite aos policiais ­militares desempenharem suas ­funções nos dias de folgas. Os PMs podem trabalhar por, no máximo, 12 dias por mês e a carga horária não pode passar de oito horas por dia. O convênio tem duração de três anos e pode ser prorrogado por mais cinco.

Para implantar a Operação Atividade Delegada no município, a prefeitura que tiver interesse deve procurar o comando da Polícia Militar na região e montar um projeto de acordo com a necessidade da cidade. Além disso, deve-se regulamentar uma lei municipal que autorize o trabalho do policial no dia de folga e então encaminhar um oficio para o Comando Geral da PM e outro diretamente à SSP para que, depois de análise, o secretário da Segurança Pública aprove.

Enquanto isso, na Câmara de Guarujá  

A  Câmara aprovou, por unanimidade de votos, o Projeto de Lei 133/2017, do vereador Sérgio Santa Cruz (PRB), que assegura aos policiais do 21º BPMI o direito ao recebimento conjunto dos benefícios previstos, tanto na Lei Municipal Nº 3554/08, que instituiu o Pró-Labore aos agentes que atuam no trânsito, assim como na Lei Municipal 4125/14, que instituiu a Atividade Delegada.

Atualmente, a legislação vigente (parágrafo 2, do artigo 2º da Lei 4125/14) impede o pagamento de pró-labore àqueles que já atuam na Atividade Delegada, mesmo tendo exercido atividades relacionadas às duas modalidades de serviço. Agora, esse dispositivo perde seus efeitos, tornando possível o pagamento dos dois benefícios, conjuntamente.

Santa Cruz afirma que a medida vai adequar a legislação à realidade da PM e tornar mais justo o critério de remuneração desses benefícios extras.

“O policial que atua no combate ao comércio  e ocupações irregulares  a qualquer momento, também pode ser destacado para atuar no trânsito, bem como no policiamento ostensivo e preventivo, que dão direto ao pró-labore”, enfatiza  Santa Cruz. O texto segue para o Excutivo. Caso sancionado, será transformado em lei a partir da sua data de publicação no Diário Oficial do Município.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros