Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Terça, 10 Abril 2018 17:48

Ney Santos e vice são cassados por uso de dinheiro do crime na eleição de 2016

De acordo com as investigações, Santos teria usado dinheiro de facção criminosa para financiar a campanha
Ney Santos (PRB) e seu vice Dr. Peter (MDB) foram eleitos em 2016 com 79,45% dos votos válidos Ney Santos (PRB) e seu vice Dr. Peter (MDB) foram eleitos em 2016 com 79,45% dos votos válidos Thiago Neme/Gazeta de S,Paulo
Por Matheus Herbert
De São Paulo

A Justiça Eleitoral de Embu das Artes, na região metropolitana de São Paulo, cassou a chapa do prefeito da cidade Ney Santos (PRB) e do seu vice Dr. Peter (MDB), por uso de dinheiro do crime na campanha eleitoral de 2016, onde a chapa foi eleita com 64.828 votos, o que corresponde a 79,45% dos votos válidos para a disputa. De acordo com as investigações, Ney Santos teria usado dinheiro de facção criminosa para financiar a campanha. A decisão cabe recurso e o chefe do executivo e seu vice seguem no cargo até a publicação da sentença, caso tenham que sair, quem assume é o presidente da Câmara, Hudo Prado (PSB). 

A sentença dada na semana passada pela juíza Tatyana Teixeira Jorge, mas só publicada nessa semana aponta abuso de poder econômico e uso de dinheiro de origem ilícita. O processo está em segredo de Justiça e o caso segue em investigação. 

A magistrada cassa o registro, diploma e o mandato do prefeito e do vice e ainda determina a inelegibilidade de ambos por oito anos, caso as ilegalidades sejam comprovadas. Ela acatou o pedido do Ministério Público (MP) numa Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije). 

A justiça investiga se a campanha de Ney Santos teria sido financiada pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

De acordo com o site “Verbo Online” a denúncia do MP, feita através do promotor Estêvão Luís Lemos, acusa Ney Santos de ter usado “contribuições provenientes de lavagem de dinheiro oriundo do tráfico de entorpecentes, incluindo os valores doados pelo próprio eleito à campanha”. A justiça investiga se a campanha de Ney Santos teria sido financiada pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

Na segunda-feira, dia 9, o site Verbo-Online noticiou que Ney teve a campanha a prefeito em 2016 financiada, “em boa parte”, por um membro da facção criminosa. A notícia se baseia em um suposto áudio gravado por um ex-assessor de Ney Santos. Na conversa, Ney teria dito, entre outras coisas, que sua campanha teria custado ao menos R$ 12 milhões. 

Através de uma nota, a Prefeitura de Embu das Artes informou que “o prefeito Ney Santos e seu vice continuam no cargo e irão recorrer com em outra instância. Respeitamos a decisão da Justiça Eleitoral de Embu das Artes, porém entendemos que a decisão foi errônea”. 

Ainda de acordo com a prefeitura, as contas da campanha do prefeito Ney Santos foram aprovadas, os doadores tinham capacidade legal de fazer as doações e que quase toda a campanha foi bancada pelo fundo partidário.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany