Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Segunda, 15 Janeiro 2018 18:12

Prefeitura de Taboão quer identificar onde morador contraiu a febre amarela

Osmar Macedo Ramos estava no Hospital Couto Maia; caso segue em investigação para descobrir em qual cidade o homem foi infectado
Osmar Macedo Ramos, de 49 anos, morava no Jardim Record em Taboaão da Serra; homem morreu na tarde do último domingo Osmar Macedo Ramos, de 49 anos, morava no Jardim Record em Taboaão da Serra; homem morreu na tarde do último domingo Divulgação
Por Matheus Herbert
De São Paulo

Um morador de 49 anos da cidade de Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo, identificado como Osmar Macedo Ramos, morreu no final da tarde de domingo no Hospital Couto Maia em Salvador com febre amarela. De acordo Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), o homem chegou à cidade de Itaberaba, a cerca de 290 km da capital, na região da Chapada Diamantina, no dia 5 de janeiro, já com os sintomas da doença. O caso segue em investigação.

O homem que é natural de Itaberaba, morava no Jardim Record em Taboão da Serra e estava na Bahia para visitar familiares. Antes de ir para Itaberaba, Osmar havia passado as festas de final de ano na cidade de Itapecerica da Serra, também na Grande São Paulo.

A Gazeta conversou na tarde de ontem, com o Coordenador da Vigilância Epidemiológico de Itapecerica da Serra e Taboão da Serra, Dr. Milton Parron. De acordo com ele, uma investigação foi aberta para descobrir em qual cidade o homem foi infectado, já que os primeiros sintomas da doença se manifestam de 3 a 7 dias, após a contaminação. “Agora a Vigilância Epidemiológica junto com o Estado investiga os locais por onde a vítima passou, para que assim possamos descobrir o local em que o homem foi infectado. Esse trabalho já está sendo feito com o auxílio da família e nos próximos dias já vamos ter uma resposta”, disse.

Ainda de acordo com Parron “a área de moradia do paciente, em Taboão da Serra é densamente urbanizada, o que impede a infecção, já que não possui área rural e presença de vetores da febre amarela silvestre”, finalizou.

A Prefeitura de Taboão da Serra emitiu uma nota informando que “está sendo realizada a investigação do óbito e o resultado da necrópsia será determinante para toda a elucidação diagnóstica do caso”.

Mairiporã

Um técnico em refrigeração de 31 anos morreu em Mairiporã, sob suspeita de febre amarela, após ter sido atendido e tratado por vários médicos da rede pública de saúde e receber diagnóstico de outras doenças. Em todo o estado a Secretaria da Saúde confirmou 21 mortes pela doença, sendo três delas em Mairiporã.

Itapecerica

Vinte e um macacos já morreram por febre amarela em Itapecerica da Serra. Até o momento não há registros da doença em humanos na cidade.

Após os primeiros registros de morte de macacos, há mais de dois meses, a região entrou em alerta.

Em nota, a Prefeitura de Itapecerica da Serra informou que “até o momento o município teve 54 casos de macacos mortos, destes, 21 casos foram positivos para febre amarela”. Apesar de não haver registros de casos de febre amarela em humanos, a cidade está em alerta.

Como prevenção, alguns parques da cidade foram fechados para visitação. O mais recente foi o da Represinha, fechado no dia 8, após a morte de mais três primatas. O fechamento é temporário.

Grande procura faz prefeitura limitar doses

A Prefeitura de Taboão da Serra informou que nos próximos dias vai limitar a aplicação da vacina em 300 doses diárias em cada unidade de saúde da cidade. A medida foi tomada devido à busca desenfreada pela vacina e as filas que têm se formado nos últimos dias.

Desde os primeiros casos de morte de macacos com febre amarela em Itapecerica da Serra, a procura pela vacinação em Taboão da Serra, que é vizinha ao município, tem aumentado de forma exacerbada. De acordo com a Secretaria da Saúde, uma única unidade chegou a atender 2 mil pacientes. A cidade, entretanto, não é considerada prioritária pela Secretaria Estadual de Saúde, que é a responsável pela distribuição da vacina em todo o Estado, justamente por ter pouca área verde.
Apesar de não faltar vacina, a Secretaria de Saúde decidiu limitar as doses para organizar e conseguir dar conta do atendimento nas unidades. Segundo o coordenador da Vigilância Epidemiológica, doutor Milton Parron, será priorizada a vacinação dos moradores dos bairros Parque Laguna e Chácara Iolanda, únicos locais onde existem áreas verdes na cidade.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado