Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Segunda, 04 Dezembro 2017 17:26

Empresa que intermediou voo que matou noiva havia sido denunciada

Helicóptero que caiu com noiva a caminho do altar era particular e não podia podia voar em condições de tempo encoberto
Além da noiva Rosemeire morreram o irmão dela Silvano da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina e o piloto Além da noiva Rosemeire morreram o irmão dela Silvano da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina e o piloto reprodução Tv Globo
Por Matheus Herbert

A empresa que realizou o transporte de helicóptero da noiva Rosemeire Nascimento Silva, a caminho do altar e que acabou caindo em dezembro de 2016 em São Lourenço da Serra, havia sido denunciada à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mais de dois anos antes da tragédia por estar realizando táxi aéreo irregular. No acidente, além da noiva morreram o irmão dela Silvano Nascimento da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina Neves Lousada e o piloto Peterson dos Santos Pinheiro Xavier, de 34 anos. O caso completou um ano nesta segunda-feira e segue em investigação.

De acordo com as investigações o helicóptero que caiu era da empresa HCS, que realizou o voo e que era responsável pelo piloto. A HCS diz que não se manifestará durante as investigações, que seguem em segredo de Justiça.

A acusação contra a empresa VoeNext, contratada pela noiva foi feita pela Associação Brasileira de Táxi Aéreo e Manutenção de Produtos Aeronáuticos (ABTAER). A denúncia de transporte aéreo clandestino de passageiros e cargas foi encaminhada à Ouvidoria e à Superintendência de Ação Fiscal da Anac.

A VoeNext informou que nunca foi empresa de táxi aéreo e que, desde sua constituição, trata-se de agência de turismo e viagens, regulada pela Embratur e não pela Anac.

Acidente

O helicóptero que havia saído de Osasco e levava para São Lourenço a noiva para a sua festa de casamento, no Sítio Recanto Beija-Flor, caiu na Estrada da Barrinha, altura do número 4.024, cerca de cinco minutos do local a onde aconteceria a cerimônia.

Vizinhos do local onde aconteceu o acidente, relataram na época a Gazeta que a aeronave soltava muita fumaça antes de cair na mata. “Estava assistindo televisão com a minha esposa e filhos, quando vi uma fumaça preta no céu, não deu muito tempo eu vi o helicóptero caindo e um grande barulho. Todos os vizinhos correram para socorrer”, disse o autônomo Eleniuso Santos, de 42 anos.

Situação

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave modelo Robinson 44 havia sido comprada recentemente e estava em situação regular para voo. O helicóptero tinha capacidade para transportar até três pessoas, sem contar o piloto.
Desde dezembro de 2002, aeronaves desse mesmo modelo se envolveram em 49 acidentes no País.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros