Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
 
Segunda, 04 Dezembro 2017 17:26

Empresa que intermediou voo que matou noiva havia sido denunciada

Helicóptero que caiu com noiva a caminho do altar era particular e não podia podia voar em condições de tempo encoberto
Além da noiva Rosemeire morreram o irmão dela Silvano da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina e o piloto Além da noiva Rosemeire morreram o irmão dela Silvano da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina e o piloto reprodução Tv Globo
Por Matheus Herbert

A empresa que realizou o transporte de helicóptero da noiva Rosemeire Nascimento Silva, a caminho do altar e que acabou caindo em dezembro de 2016 em São Lourenço da Serra, havia sido denunciada à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mais de dois anos antes da tragédia por estar realizando táxi aéreo irregular. No acidente, além da noiva morreram o irmão dela Silvano Nascimento da Silva, a fotógrafa Nayla Cristina Neves Lousada e o piloto Peterson dos Santos Pinheiro Xavier, de 34 anos. O caso completou um ano nesta segunda-feira e segue em investigação.

De acordo com as investigações o helicóptero que caiu era da empresa HCS, que realizou o voo e que era responsável pelo piloto. A HCS diz que não se manifestará durante as investigações, que seguem em segredo de Justiça.

A acusação contra a empresa VoeNext, contratada pela noiva foi feita pela Associação Brasileira de Táxi Aéreo e Manutenção de Produtos Aeronáuticos (ABTAER). A denúncia de transporte aéreo clandestino de passageiros e cargas foi encaminhada à Ouvidoria e à Superintendência de Ação Fiscal da Anac.

A VoeNext informou que nunca foi empresa de táxi aéreo e que, desde sua constituição, trata-se de agência de turismo e viagens, regulada pela Embratur e não pela Anac.

Acidente

O helicóptero que havia saído de Osasco e levava para São Lourenço a noiva para a sua festa de casamento, no Sítio Recanto Beija-Flor, caiu na Estrada da Barrinha, altura do número 4.024, cerca de cinco minutos do local a onde aconteceria a cerimônia.

Vizinhos do local onde aconteceu o acidente, relataram na época a Gazeta que a aeronave soltava muita fumaça antes de cair na mata. “Estava assistindo televisão com a minha esposa e filhos, quando vi uma fumaça preta no céu, não deu muito tempo eu vi o helicóptero caindo e um grande barulho. Todos os vizinhos correram para socorrer”, disse o autônomo Eleniuso Santos, de 42 anos.

Situação

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave modelo Robinson 44 havia sido comprada recentemente e estava em situação regular para voo. O helicóptero tinha capacidade para transportar até três pessoas, sem contar o piloto.
Desde dezembro de 2002, aeronaves desse mesmo modelo se envolveram em 49 acidentes no País.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação - editor@gazetasp.com.br
Comercial - comercial@gazetasp.com.br

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Editorias
Brasil / Mundo / Estado / Capital / Grande São Paulo / Litoral / Vale do Ribeira / Serviços / Previdência / Variedades / Casa & Decoração / Turismo / Cinema

Colunistas
Pedro Nastri /
Nilson Regalado / Nilto Tatto/ Nilson Regalado/ Marcel Machado