Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Quarta, 08 Novembro 2017 17:29

Ex-prefeita do Guarujá é condenada por improbidade

A ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público há cerca de dois anos e se baseia na nomeação irregular de pessoas em cargos de comissão
Segundo o MP, Maria Antonieta teria criado e promovido nomeação de servidores comissionados em desacordo com a Constituição Segundo o MP, Maria Antonieta teria criado e promovido nomeação de servidores comissionados em desacordo com a Constituição Arquivo/DL
Por Diário do Litoral

A ex-prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito (PMDB), foi condenada pela Justiça por improbidade administrativa. A ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público há cerca de dois anos e se baseia na nomeação irregular de pessoas em cargos de comissão. Antonieta teve seus direitos políticos suspensos por quatro anos a partir de maio deste ano; pagar multa equivalente a 10 vezes seus últimos ­subsídios (salários) a partir da prática do último ato ilegal e proibição de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, mesmo por intermédio de sociedade, por três anos.

A decisão foi do juiz da 3ª Vara Cível de Guarujá, Gustavo Gonçalves Alvarez. A ex-prefeita ingressou com recurso junto a 3ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), mas o desembargador Maurício Fiorito manteve a decisão de primeira Instância, além de não aceitar atestado de pobreza apresentado por Maria Antonieta, que requereu justiça gratuita. A ex-prefeita não se manifestou sobre o assunto.

Segundo o MP, Maria Antonieta teria criado e promovido nomeação de servidores comissionados em desacordo com a Constituição e com desvio de finalidade. Os cargos foram assessor estratégico e especial e outros, como gestor de projetos, público municipal e agente público municipal. O MP não concordou que esses cargos seriam funções de confiança e sugeriu as exonerações, mas a ex-prefeita, além de mantê-los, teria promovido novas nomeações, em “evidente má-fé e vontade livre e consciente de praticar ato de improbidade”, explica o ­magistrado. Como se não bastasse, o desembargador informa que Antonieta ainda enviou, em 2010, um projeto à Câmara criando novos cargos em comissão, com atribuições vagas e caráter técnico, nos mesmos moldes, mantendo diversos servidores que deveriam ser exonerados. “Evidente a burla e, ­diante disso, foi proposta uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) pelo procurador geral de Justiça, julgada procedente pelo Órgão Especial do TJ-SP e ainda sim, um novo projeto foi encaminhado em 2013”, aponta o desembargador. (DL)

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros