Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Domingo, 12 Novembro 2017 10:52

Temi muito mesmo pela queda do São Paulo à Série B, diz Dorival Júnior

Dorival conviveu 12 rodadas com o clube entre os quatro piores da competição
Dorival conviveu 12 rodadas com o clube entre os quatro piores da competição Dorival conviveu 12 rodadas com o clube entre os quatro piores da competição Miguel Schincariol/Folhapress
Por Folhapress

Por Giancarlo Giampietro e Luiz Cosenzo

Quem vê o semblante mais tranquilo de Dorival Júnior, 55, nesta reta final do Brasileiro pode não acreditar, mas o técnico admite que temeu, e muito, pelo rebaixamento do São Paulo à Série B.

O retrospecto da equipe dá razão ao comandante. Desde que assumiu o cargo em 10 de julho, Dorival conviveu 12 rodadas com o clube entre os quatro piores da competição.

"Muito. Muito mesmo. Porque você via o trabalho, a gente ganhava uma rodada, e quando terminavam os jogos, não subíamos na tabela", disse o técnico, que não vive uma sensação de alívio absoluto, mas está próximo.

O respiro definitivo pode vir neste domingo (12), quando o São Paulo pega o Vasco, às 17h (com Globo), no Rio.

Com uma vitória, a equipe chega aos 47 pontos –pontuação considerada ideal para permanecer na elite.

Se a reação do São Paulo deixa Dorival satisfeito, ainda há o que o incomode no Brasileiro e no futebol nacional como um todo. Em entrevista à Folha, o técnico fez duras críticas à falta de organização e ao estilo e nível de jogo que tem visto.

"Após o 7 a 1, era para a gente repensar a reestruturação do futebol brasileiro. Se os resultados não acontecessem, continuaríamos capengando. Estamos acomodados novamente porque a seleção está dando resultados. O futebol brasileiro continua andando para trás."

Pergunta - O São Paulo passou 14 rodadas na zona de rebaixamento. Hoje, está em situação mais confortável. Em algum momento, temeu pela queda ?
Dorival Júnior -
Muito. Muito mesmo. Porque a gente ganhava uma rodada, você via o trabalho e, quando terminavam os jogos, não subíamos na tabela. A gente pedalava, mas não saía do lugar.
Quando você é envolvido pelo adversário, joga mal ou está inferior na partida, até sai de campo conformado. Agora, quando faz uma boa partida , tem um errinho e vê a bola parar lá dentro, arrebenta.
Nesse período, o lado emocional é o mais difícil.

Como foi para tranquilizar os jogadores com a possibilidade de rebaixamento?
-
O que percebi é que de repente mais times se juntaram a esse grupo [de rebaixamento]. Em uma oportunidade, tínhamos 13 equipes brigando contra o rebaixamento. Tentava mostrar essa situação para que não desanimassem.
Neste período, fizemos apenas um jogo muito abaixo que foi na derrota para o Fluminense [3 a 1]. Aí começa uma série de dúvidas, e você mesmo se questiona para entender o que estava acontecendo.
Logo na rodada seguinte, porém, os resultados começaram a encaixar dentro do que precisávamos e começamos a fazer a nossa parte. Com isso, encontramos um caminho.

Você já conviveu com essa situação de lutar contra o rebaixamento no Fluminense, Vasco, Atlético-MG e Palmeiras. Essa experiência ajudou?
-
Cada trabalho tem suas particularidades. Já peguei realmente várias situações em que o número de jogos eram menores e emergenciais. Mas, na maioria dos casos, cheguei com os times já montados.
Já o São Paulo se remontou durante o torneio. Foi um trabalho muito mais penoso, mesmo com quantidade maior de jogos. Quando fui contratado, estavam chegando muitos jogadores. Então pontuei se o clube estava ciente do que poderia acontecer nas próximas rodadas -teríamos até o final do primeiro turno seis jogos sem pausa. Falei que isso poderia comprometer o trabalho, já que seria avaliado de cara, sem tempo para treinar e com atletas chegando.

Como foi para encontrar o time ideal durante o torneio?
-
As semanas livres que tivemos para treinar após os cinco, seis primeiros jogos nos ajudaram a formar o time. Se não fosse isso, seria muito complicado. O rendimento começou a mudar. Tivemos de alterar 60% da equipe. É algo drástico, um quebra-cabeça. Encontrar essa equipe ideal nessas condições é o maior desafio de um treinador.

O objetivo agora é deixar, um time pronto para 2018?
-
Nosso primeiro objetivo é atingir esses pontos que faltam [para escapar definitivamente]. Isso vamos ver só rodada a rodada.
O principal legado é uma equipe que saia com no mínimo uma base. Para que não chegue tão cru. E torcer para que mudanças [de jogadores] que possam acontecer sejam pontuais, para não perdermos aquilo que já foi construído.

Esperava que Hernanes se adaptasse tão rapidamente? Segurá-lo seria o principal reforço do clube para 2018?
-
Lógico que eu esperava um acréscimo, mas não neste nível. Ele acrescentou em todos os aspectos, e foi uma surpresa positiva, principalmente pelo profissional que é. Ele impõe a forma de ser pelo exemplo. Por isso, está tão valorizado. Ele seria um jogador importante [tem contrato até julho de 2018].

A maioria das equipes na Série A investe em um futebol reativo. Como vê esse momento do futebol brasileiro?
-
Naturalmente cada um tem uma maneira de jogar. Pode se desenvolver uma grande equipe com esse futebol de forte marcação e saídas no contra-ataque. Mas isso tem acontecido mais nos últimos dois anos e preocupa.
Estamos abrindo mão daquilo que sempre foi nosso carro-chefe, que é a posse de bola, o passe e a habilidade.
Estamos na contramão de tudo o que está acontecendo nos grandes centros. Lá, estão valorizando posse de bola, o futebol de aproximação, justamente aquilo que sempre vimos no nosso futebol.

Num cenário mais amplo, o que mudou no futebol brasileiro após a Copa-2014?
-
Após o 7 a 1, era para a gente repensar o futebol brasileiro, repensar principalmente a reestruturação desde CBF, federações, clubes, formação. Torcemos pelo sucesso do futebol brasileiro, pelo sucesso do Tite, que é um dos melhores profissionais do futebol mundial. Ele tem conseguido resultados brilhantes.
Mas o efeito disso é que seguimos acomodados. Continuamos capengando, repetindo vícios e erros. É a mesma acomodação dos últimos 30 anos.
O movimento de mudança no futebol do país perde força. Na verdade, nosso futebol continua andando para trás. E não vai mudar enquanto não houver um movimento de respeito com pessoas interessadas, com um trabalho integrado.

Como vê a participação da CBF e federações?
-
As federações são apenas arrecadadoras. Arrecadam, e muito, e dificilmente devolvem esse ganho com investimento no futebol. A CBF nem se fala. É um órgão que arrecada mais e mantém o sistema. Há uma pirâmide invertida e um desleixo.

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros