Edição de Hoje capa
Edições Anteriores
Terça, 10 Outubro 2017 17:01

‘Lealdade é uma coisa que ele deveria aprender’, diz Haddad sobre Doria

Considerado um possível plano B do PT, caso o ex-presidente Lula não possa concorrer no ano que vem, o petista estava na sede do Twitter Brasil para uma sessão de perguntas em respostas com usuários da rede social
Por Estadão Conteúdo

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) não tem sido leal sequer com seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, afirmou nesta terça-feira,, o ex-prefeito da cidade, Fernando Haddad (PT).

Considerado um possível plano B do PT, caso o ex-presidente Lula não possa concorrer no ano que vem, o petista estava na sede do Twitter Brasil para uma sessão de perguntas em respostas com usuários da rede social. A declaração foi dada quando ele respondia a uma pergunta sobre um possível rombo de R$ 7 bilhões deixado por sua gestão para seu sucessor.

“Infelizmente o Doria não tem sido muito leal comigo - o que também não é novidade, porque não tem sido leal sequer com Alckmin. Acho que lealdade é uma coisa que ele deveria aprender”, disse o petista. “Tem o Tribunal de Contas que já aprovou as minhas contas e a demonstração do superávit está no relatório final aprovado. Deixei R$ 5,5 bilhões em caixa. Desses R$ 5,5 bilhões, R$ 2,2 bilhões comprometidos e R$ 2,3 bilhões de superávit, sendo R$ 300 milhões livre para ele fazer o que quisesse no dia 2 de janeiro de 2017. Então consulte o Tribunal de Contas e aí você vai julgar quem está mentindo e quem está falando a verdade.”

Pouco antes, incitado por outro usuário a comentar sobre a gestão do tucano, Haddad disse que era “deselegante” falar sobre o trabalho de seu sucessor, mas que fez a melhor transição de governo que pôde. O petista salientou, no entanto, que os dois têm “visões diferentes” de mundo e que esperava que os cidadãos paulistanos possam enxergar suas decisões à frente da prefeitura “com ânimos menos aflorados”.

Candidato à reeleição em 2016, Haddad ficou em segundo lugar com 16,70% dos votos, enquanto Doria, navegando no antipetismo e no clima pós-impeachment da presidente Dilma Roussef, se elegeu em primeiro turno com 53,29%. Foi a primeira vez que São Paulo não teve segundo turno desde a redemocratização.

Questionado se pretende concorrer a outro cargo em 2018, Haddad comentou apenas que tirou o ano de 2017 para estudar porque o “desafio de 2018 precisa de reflexão aprofundada” sobre o que está acontecendo no mundo e no Brasil. “Vamos ver o que 2018 nos reserva”, disse.

O ex-prefeito também minimizou as chances de sair como vice na chapa de Ciro Gomes (PDT). “Meu partido trabalha com a possibilidade concreta da candidatura Lula e não está discutindo nenhuma alternativa a isso nesse momento. Tenho muito apreço pelo Ciro, mas o PT está em outra direção nesse momento.”

Gazeta SP

Endereço
Rua Tuim – 101 A
Moema - São Paulo - SP - CEP 04514-100.
Fone: (11) 3729-6600

Contatos
Redação
Comercial

Diretor Presidente
Sergio Souza

Diretor Executivo
Daniel Villaça Souza

Diretor Comercial
Roberto Santos

Diretor de Negócios
Paulo Villaça Souza

Jornalista Responsável
Nely Rossany

Diretor de Projetos Especiais
Marcelo Barros